quarta-feira, 9 de outubro de 2013

O MAL DA DEMOCRACIA

Imagino que o título deste artigo possa induzir o leitor a uma conclusão precipitada sobre seu conteúdo. Não sou contra a democracia, não a considero um mal. Muito pelo contrário, eu admiro e deixo patenteada a minha adesão ideológica a essa forma de governo na qual nosso país se encontra em pleno gozo. É tão somente porque ela vige que posso escrever neste espaço com a plena convicção de que não sofrerei censura prévia, e, gostem ou não do que escrevo os governos e os poderes, são eles mesmos que garantem minha permanência aqui a são e salvo de perseguições comuns aos regimes totalitários.
Mas, concordemos que tem alguma coisa muito errada na cabeça dos blackblocks no entendimento sobre ela, sobre o seu papel para a sociedade e para a organização do Estado.
Aliás, sem rodeios mais uma vez eu acuso os blackblocksde ser a nossa klukluxklan tupiniquim, cheios de ódio e da soberba suposição de donos do monopólio da verdade, onde a democracia não cabe porque seu conceito exige respeito à legalidade que ignoram.
E alerto que precisam ser refreados rápido, antes que promovam uma desgraça tão grande que faça cada um de nós se arrepender profundamente de não ter gritado a plenos pulmões contra esses greemilins,destrutivos e caóticos.
Repito! Esses criminosos precisam ser contidos! E eles precisam prestar contas de toda destruição, vandalismo e terror que andam aprontando. Precisam experimentar a punibilidade da lei que lhes refreie os impulsos incendiários e predatórios, antes que uma guerra civil travestida de movimento social se instale no Rio.
Por vinte anos o narcotráfico nos impôs um conflito armado de baixa intensidade, produzindo mortos com armas de guerra, feridos em número de guerra, e subjugando territórios e populações de nossa cidade como se houvesse invadido país inimigo, tudo porque fomos lenientes com o que parecia ser uma mera questão de ordem.
Vamos ,então, permitir que os mascarados das bombas incendiárias, dos rojões explosivos, das pedras e dos martelos em mãos, e de outros instrumentos para ferir gravemente, e até matar, encurralem o estado brasileiro no que tem de mais de legal e legítimo, a sua democracia?
Ora, acordemos! Anteontem, em São Paulo, a Polícia Civil autuou em flagrante na Lei de Segurança Nacional dois desses aspirantes a terrorista. Não sabiam? Ela ainda está valendo! Está previsto em seu artigo 20 -... incendiar, depredar, provocar explosão, praticar atentado pessoal ou atos de terrorismo, por inconformismo político...Pena: 3 a 10 anos de reclusão.
Não há nenhum mal na democracia. O mal está justamente em não se respeitar sua existência.
(publicado no Jornal Metro, quarta-feira, 09 de outubro de 2013. Coluna Segurança em Letras)

 

6 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito.

Márcio Cesar disse...

Parabéns Cmt pelo alerta a sociedade do que pode estar por trás desses
acontecimentos!

Anônimo disse...

Se me permitem, irei mais a fundo nesta questão da Lei Democrática (sim! ela foi acolhida, por inércia, pelo ordenamento jurídico pós Constituinte) conhecida como Lei de Segurança Nacional, A Lei 7170/83.

Se (hipotéticamente) estivermos vivendo em um Estado Democrático de Direito, espero que os órgãos responsáveis por apurar esta infinidade de atos delituosos considerem a possibilidade de imputar aos 'líderes' deste caos arquitetado, não somente o Art 20, como também os Art 16 e 17 da mesma Lei.

Chamem de 'instinto', 'insight', 'dedução'... Não importa: leio diariamente, de segmentos da imprensa livre, sobre grupos organizados e instrumentados com graus variáveis de alinhamento a estes grupos que pregam abertamente o "não Governo", que vinculam o personagem 'político' ao Status 'Política' de forma delinquente e sustentando 'bandeiras' sob forma de chavões sem esclarecer deliberadamente sua plataforma e linha de ação.

Infiro esta desambiguação como proposital.
Clássica atividade de Desinformação em somente Alguns Estados Chave da Federação... Mas com 'propaganda' de âmbito nacional.
Além disto não ouso em palavras, senhores.

A ferida está aberta. Há 'cheiro de sangue' 'nisto tudo que está aí' e é o que me preocupa como cidadão brasileiro que acredita na construção de um verdadeiro Contrato Social e no Valor de uma verdadeira Democracia de Fato e de Direito.

O que colheremos sem cuidar do nosso frágil Estado Democrático de Direito?

Anônimo disse...

Perfeito!

Ramon Barbosa disse...

Na minha opinião a Democracia não vai funcionar enquanto houver desigualdade, inclusive em termos educacionais e culturais. Há ainda outro problema mais profundo, que talvez não seja abordado neste blog, o Autoconhecimento. Isso sim, mudará tudo!

http://www.pensamentoshumanistas.com/2013/10/manifestacoes-e-protestos-nao-servem-de.html

Capitão Aguiar disse...

Democracia pressupõe um Estado que não se furta em usar a autoridade e a força para a imposição das leis e manutenção da ordem pública.
Quando vivemos em um Estado leniente com o crime, com a desordem e com a de conduta criminal(de qualquer natureza)colocamos em risco a democracia e próprio estado de direito.