domingo, 1 de junho de 2008

Uma reflexão inadiável

Não é exatamente do meu feitio replicar textos ou artigos em meu blog, preferindo comentá-los e citar a fonte para consultas dos interessados.
Todavia, a entrevista publicada hoje, 01 de junho de 2008, pelo jornal O Dia , com o sociólogo colombiano Hugo Acero, merece detida atenção.
Estive conversando com o doutor Hugo por três vezes nos últimos dois meses. A impressão que tive dele foi muito boa.Pareceu-me uma pessoa lúcida e capaz de dialogar com defensores de ideologias diversas, desde que legítimas.
A questão colombiana, no que se refere a quadros de violação da ordem e perda de soberania sobre o território, em muito se assemelha com o Rio de Janeiro, abstraindo-se o movimento marxista-revolucionário que por sorte aqui não temos, estando o problema adstrito ao narcotráfico.
Aí está o artigo com Hugo Acero:


Limpeza policial é solução para combater o crime, explica especialista
Thiago Prado

Rio - Era para ser uma palestra sobre segurança pública. Mas, em alguns minutos, se tornou uma aula de combate à impunidade. Convidado para falar a oficiais e praças da PM, o sociólogo colombiano Hugo Acero deixou boquiaberta a platéia quando detalhou a limpeza que a polícia colombiana sofreu em três anos da década de 1990. A receita apresentada pelo ex-secretário de Segurança de Bogotá é simples e ao mesmo tempo impressionante: com inquéritos que chegavam a ser concluídos em uma semana, 17 mil agentes foram expulsos sumariamente por envolvimento com esquemas de corrupção. No entanto, a ‘faxina’ não foi a única iniciativa que fez a criminalidade da cidade ter redução significativa — entre 1995 e 2003, o número de homicídios caiu 70%. Em entrevista a O DIA, Acero relata as diferenças entre a polícia colombiana e a brasileira. O atual consultor do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) ainda analisa a atuação das milícias no Rio e faz críticas à maneira como é conduzido o Programa de Aceleração do Crescimento nas favelas.

—O senhor afirmou na palestra que 17 mil policiais foram expulsos entre 1992 e 1995 em um grande processo de expurgo (a polícia nacional na época tinha 90 mil homens). Como expulsaram tantos policiais em tão pouco tempo?


—Foi uma decisão política do presidente Cesar Gavíria de reformar a polícia a partir de documento feito por comissão externa. Havia muitos problemas de corrupção, violação dos direitos humanos e indisciplina na instituição. Nessa época, a polícia tinha credibilidade de 17%, hoje tem mais de 70% de aprovação.



—Mas como agilizar o trabalho de órgãos correcionais da polícia? No Brasil,investigações demoram meses e os policiais continuam trabalhando mesmo após acusações graves.


—Na Colômbia, temos um setor de controle interno da polícia e há outros organismos que também investigam servidores, como a Procuradoria. Há um processo apuratório que tem de ser cumprido como em todos os países, mas lá existe a possibilidade do diretor-geral da polícia expulsar com uma simples canetada os integrantes da corporação que se comportam mal.



—Não há um inquérito para avaliar se o policial era ou não corrupto?


—Há todo um cuidado para revisar muito bem a vida do policial. Toma-se cuidado de consultar a inteligência e todas as pessoas que já investigavam policiais envolvidos com corrupção. A cautela foi tanta que não houve reclamações dos policiais que foram expulsos. Eles nem recorreram na Justiça.



—O que deixa as polícias com a credibilidade baixa diante da população?


—Se os índices de credibilidade da polícia não são bons, a instituição tem de fazer uma reflexão para saber como mudar. A polícia não pode ser um órgão do qual as pessoas tenham medo. Ela tem que ser respeitada, tem que proteger a pessoa, seja ela negra, pobre ou rica. Na Colômbia, além das expulsões, houve uma mudança cultural importante.

—Uma das maiores preocupações da Secretaria de Segurança atualmente é com a ação das milícias, compostas, muitas vezes, por policiais civis e militares. Como a Colômbia combateu e ainda lida com os grupos paramilitares?


—Todos os grupos fora da lei, chamem-se milícias ou narcotraficantes, devem ser combatidos da mesma maneira. Algumas pessoas consideram normal um grupo de pessoas se reunir para matar delinqüentes. Na Colômbia, os paramilitares cresceram porque, inicialmente, seu objetivo era combater as guerrilhas. O que não nos demos conta como país é que estávamos criando um outro monstro, igual ou pior que a guerrilha. Eles chegaram com a idéia de proteger os camponeses, mas depois começaram a abusar do poder que tinham, pedindo dinheiro por tudo. A única maneira de vencer esse monstro é fazer com que as autoridades garantam a segurança dos cidadãos sem precisar que grupos paramilitares o façam.



—Por que o senhor não é a favor da atuação da polícia comunitária nas favelas antes de acabar com a violência nelas? É a estratégia adotada pela polícia do Rio, com os Grupamentos de Áreas Especiais.


—Nas favelas de Medellín e Bogotá, em um primeiro momento, era impossível existir polícia dentro das comunidades dominadas pelos grupos armados. Quando existia, os policiais eram assassinados ou ficavam ali sem fazer nada. Não se pode expor a polícia. Têm que ser analisadas a força e o poder de fogo que o outro lado tem e, com esse mesmo poder, o ideal é combatê-los. Uma vez controlados estes grupos e territórios, aí sim pode entrar a polícia comunitária. Nunca antes.



—O que o senhor pensa do andamento do Programa de Aceleração do Crescimento nas favelas do Rio? Apesar do início das obras, os grupos armados continuam atuando nas comunidades beneficiadas.


—Estão fazendo metade do trabalho. Estão recuperando as favelas no que tem a ver com o desenvolvimento social, mas não em relação à segurança pública. Enquanto os grupos armados controlarem comunidades, a segurança não existirá.



—Como é feita a distribuição do efetivo da polícia na Colômbia? No Rio, áreas mais pobres e com maiores índices de criminalidade são preteridas em relação a regiões mais ricas.


—Lá priorizamos quatro quesitos: instalações, comunicações, mobilidade e recursos humanos. Fizemos uma distribuição racional da polícia com base na população, extensão do território e quantidade de conflitos.



—Como é o turno de polícia na Colômbia?


—Eles trabalham oito horas, como trabalhador normal. Antes, o policial de férias podia trabalhar fora. Hoje, não pode trabalhar em outro lugar, senão é expulso.



—Na Colômbia há muitos policiais desviado de suas verdadeiras funções?


—Fizemos uma reestruturação para que o menor número de policiais trabalhasse administrativamente. Não pode ser 50% administrativos e 50% no operacional. Acredito que o ótimo seja, para cada cinco operacionais, um administrativo.



—O Rio tem solução?


—Claro (risos). Se Bogotá pôde, o Rio pode! Em Medellín, em uma época, à noite, todos ficavam em casa, inclusive a própria polícia, senão morriam. Se essas cidades tiveram solução, todas têm.

4 comentários:

Castro disse...

Ilustre Tenente-Coronel Mário Sérgio:

Nem preciso dizer, que o senhor como CAVEIRA , sabe muito bem, o que é levar bala , bem como ser preso por reinvidicar melhorias para a nossa polícia. O que estranho, Coronel, é que : EM NENHUM MOMENTO DESTA ENTREVISTA, vejo o Colombiano falar sobre: " MELHORIA SALARIAL PARA A POLÍCIA " .cOMO FOI FEITO ISSO NA colômbia, ETC..
Estranho demais.
Bem, como disse Coronel, tudo é muito bonito e certinho, mas, POLICIAL QUER AUMENTO! O Srº Coronel, pelo seu passado , há de concordar comigo. Conheço sua trajetória. O Cap. Mário Sérgio, se f.... muito nesta PM ( em todos os sentidos, POR SER HONESTO E MACHO), foi preso por simplesmente querer o melhor.
Coronel: NÃO PERCA ESTE ESPÍRITO DO CAP. MÁRIO SÉRGIO, CAVEIRA 37 ! Eu lhe conhEço bem. É um homem digno, honesto e trabalhador.
Tenho a certeza de que a sua posição hoje em dia, não lhe cegou.

Fique com DEUS, Coronel!

Mário Sérgio de Brito Duarte disse...

Prezado Castro
Você está TOTALMENTE certo. Aliás, precisamos mais do que melhorias salariais. Necessitamos de uma modernização e NÃO de uma reforma, como muitos dizem, inclusive Hugo Acero.
Todavia, veja, ele diverge do senso comum recorrente entre os sociólogos que desprezam MEDIDAS DE FORÇA E CONTROLE. É isso que quero destacar no discurso de Hugo.
Sobre salários melhores, que precisamos com urgência, falei disso há três semanas em Brasília na sabatina com deputados; falei no debate com Pimentel (veja no blog) e falarei sempre que entender cabível.
Força e honra!

Anônimo disse...

Ilustre Tenente-Coronel Mário Sérgio:

Sem dúvidas, tenho a certeza de que o senhor está do nosso lado , como aliás, sempre esteve!se um sociólogo , tem a sua chancela, quem sou eu para discordar.

DEUS ABENÇOE O SENHOR E SUA FAMÍLIA!

CASTRO

barrim disse...

"(...) Há um processo apuratório que tem de ser cumprido como em todos os países, mas lá existe a possibilidade do diretor-geral da polícia expulsar com uma simples canetada os integrantes da corporação que se comportam mal."

- Essa é toda diferença! Aqui é dificil expulsar um praça corrupto, imagine-se um Comandante corrupto, por exemplo.