quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Sobre abortos e autos de resistência - Republicação

O texto abaixo é a republicação de uma antiga postagem.


Faço-a aqui outra vez, a pedido de uma leitora.


O objetivo é incitar uma reflexão filosófica.


Embora o assunto seja pauta política do momento, pouco acrescenta para minha decisão pessoal na escolha de um governante sabê-lo pró ou contra o aborto.


Convido também o leitor ao artigo imediatamente anterior que trata de fatos ligados ao filme TROPA DE ELITE 2.


Não há uma ligação temática entre ambos, mas faço o convite em razão das duas postagens terem entre si o curto lapso de tempo de um dia.



***



Há pouco mais de duas semanas a imprensa nacional deu grande destaque a uma questão de forte apelo emocional, que mobilizou a opinião pública e proporcionou ásperas discussões entre defensores de pontos de vistas antagônicos.

A questão a que me refiro e que me obrigou a contínuas reflexões, é aquela em que se viu multiplamente vitimada uma menina de nove anos, em Pernambuco, estuprada pelo padrasto do qual engravidou de gêmeos.

Num inventário bem simples do drama encontramos a subjugação física contínua da criança, a violação sexual supressora de um direito natural (a vivência sexual consoante à própria vontade e com atenção à sua prontidão psíquica e somática), o risco de uma gravidez sem a madureza necessária de seu organismo, o risco proveniente da intervenção cirúrgica para sua fertilidade (e até para sua vida), e, também, mas não por fim, pois encontraríamos outros prejuízos, a socialização do drama, o que, não raro potencializa a vitimização pelo desvelamento da identidade da vítima.

Basicamente o caso contrapôs a igreja católica, a ciência e o mundo jurídico.


Essa foi a parte mais visível da polêmica.


Essas foram as perspectivas mais perceptíveis à nossa sensibilidade reflexiva (estou nomeando assim à dimensão psíquica onde a massa de informações sobre o problema impressionou e promoveu reação ).

O problema contrapôs, mais evidentemente, as hipóteses de verdade em nome da crença, da episteme e da norma, todos falando a partir de um topos noetós: lugar privilegiado de conhecimento ora dogmático, ora positivista e ora legalista-normativo.

A igreja católica invocou o direito canônico, para embasar seus argumentos, acrescendo-lhes um repertório de considerações morais e éticas de sua exegese bíblica.


Sua tese fundamental, salvo engano, era a de que duas vidas seriam sacrificadas no aborto e esta seria uma situação irremediável.


Alegou que os avanços da medicina são de tal ordem que a gravidez, mesmo de risco, não selava a morte da menina grávida e que havia chances dela sobreviver em maior probabilidade do que morrer.


Para a igreja, o aborto seria matar as duas vidas em geração, mas existentes e, o não-aborto, tentar salvar três.

Claro, o catolicismo tinha outros argumentos mais metafísicos, de sua ortodoxia, e foram também invocados, mas que não afligiram o pensamento em oposição.

Para os opositores da Igreja Católica, agrupados nos cientistas e juristas com o apoio de formadores de opinião e vozes da população, a posição das autoridades eclesiásticas lhes pareceram tão deslocadas da idéia de bem e justiça pessoal, e individual, que não se acautelaram de “bater de frente” com aqueles, uma estratégia bem diferente da adotada nesses nossos dias de “Brasil da teologia da libertação”, quando marxismo flerta com cristianismo, buscando seduzi-lo às idéias de revolução, mais "pragmáticas" que o salvacionismo, e, Ser e não-Ser se tornam uma hipótese única.

Talvez a polêmica não tivesse tomado o contorno emocional que fez desfilar opiniões “abalizadas” se a palavra ex-comunhão não tivesse sido trazida à baila.

Ex-comugado, seja lá o que significa isso, é uma palavra medonha, que arrepia até cabelo do nariz.

Ao asseverar que uma ex-comunhão alcançaria a todos os que direta e indiretamente participaram do aborto produzido na menina, com exceção dela, a autoridade católica provocou uma reação coletiva contrária até na massa católica, o que fez parecer um reconhecimento das contradições existentes entre a amorosa, simples e profunda doutrina moral do Cristo, e a complexidade de fundamentos dogmáticos que sustentam o catolicismo e as atitudes confessionais do protestantismo.

Assim, parece que o paroxismo do caso foi produzido por uma semântica, e não por considerações sobre o infortúnio da menina a partir de diferentes considerações sobre seu destino.

E é exatamente este o ponto que quero exibir, declarando que uma questão presente todo tempo nas discussões, foi escamoteada, intencionalmente ou não.

Estou falando das ideologias que defendem o aborto no país e no mundo.

Os grupos pró-aborto de plantão encontraram na pobre menina pernambucana, um modelo emblemático e palatável para difusão de suas idéias abortivas supra-condicionais.

Esses grupos, como sabemos, são formados por pensadores materialistas que advogam que a vida gerada no seio materno é propriedade da gestante; só à gestante cabe decidir sobre o futuro do ser em gestação, caso tenha plenas condições emocionais de fazê-lo, ou, como em casos semelhantes ao da menina, a justiça e a família.

Tal posição tem sido rebatida não apenas pela igreja, mas por um sem número de pessoas que defendem o entendimento de que a vida começa no ato gerador.

Para esses, um zigoto, um óvulo fecundado sobre o qual se saiba de tal condição já é detentor do direito à vida, posto que é uma criança em potência, numa consideração aristotélica.

Realmente, que critério haverá para o aborto, levando-se em consideração, também, o ser gerado?

Em que mês de gestação, por exemplo, terá direito uma gestante de interromper sua gravidez?

Podemos dizer um embrião como “não humano” até determinado ponto de gestação, ou ele é humano em qualquer momento dela?
Qual seria esse ponto?

Seria absolutamente insensível à dor, num ataque contra sua existência?

Em que condições?

Quando não seria submetido a nenhum tipo de sofrimento?

Seria a forma, mais ou menos definida do embrião, um critério para sua classificação na categoria “pertencente à humanidade”?

Pode uma vida pertencente à categoria “humanidade”, sofrer ocisão sem qualquer direito à defesa, apenas porque não alcançou o status de “saído de dentro de quem lhe gera”?

E a vida, o que é?

É só um conjunto de intercâmbios elétricos e nervosos numa massa orgânica vivente, fadado à inorganicidade por entropia e destinado ao nada?

E se não for assim?

E se houver existência metafísica?

E se houver propósitos para a vida?

E se cada ser carregar consigo, desde a concepção, ou até antes dela, um valor absoluto que não pertence à vontade de outrem?

É verdade que se estes argumentos estiveram presentes no discurso da igreja em qualquer momento, se pertencem ao conjunto de suas considerações e explicitadas ou não integram seu conjunto de juízos sobre o assunto, não me recordo de tê-los ouvido.


O que prevaleceu, por tese, foram os pontos de dogma da igreja católica, repudiados na hipertensividade da palavra ex-comunhão, expressão que só angariou antipatias e foi exposta ao descrédito.

Os defensores pró-aborto contabilizaram pontos na contenda, porque, muitos, inclusive eu que sou contra o aborto, se posicionaram em favor da decisão da família com fundamento na defesa da menina; do seu direito a uma infância tão semelhante àquela que atalhou Jesus sobre as criancinhas.

Os defensores pró-aborto como direito da mulher ao corpo, integram, em regra, e é bom que se diga, o mesmo grupo que investe todo o tempo contra ações policiais que culminam com morte de criminosos agressores.

São aqueles que por "sentimento humanitário" argumentam por vítima, o criminoso cruel, que, de arma em punho, investe contra o policial e contra o transeunte para despertar a opinião pública contra o Estado, incitando, sem cerimônia, os integrantes de sua facção a atirar em morador porque “tiro em morador é bala perdida”.

Para eles, os facínoras que desprezam a lei, a ordem e a idéia de bem universalmente aceita, dê-se a inversão do status, com a alegação de que suas situações sociais são definidoras de seus desajustes.

Outrossim, para os seres inocentes nas barrigas que lhes deviam dar a vida, nenhuma apelação ou direito à fuga, mas a execução chancelada como direito e fundamento humanista.

Tento não teologizar meu discurso, mas quero dizer aqui da minha convicção de que a Providência Divina dará à infortunada menina oportunidades muitas de felicidade.

E dará a cada um que buscou uma solução para seu drama, mesmo o aborto, uma consciência tranqüila, se o fundamento de suas participações não desprezou o direito de cada ser em questão, tendo suas decisões seguido um critério de escolha razoável, fundamentada na singularidade da vida.

O aborto é um crime violento contra a criatura infensa, mas a miséria humana consegue sempre encobrir com pó de argumentos sedutores, as sementes de dor que um dia romperão.

É o hedonismo dissimulando egoísmo; é a irresponsabilidade se passando por liberdade.

26 comentários:

Anônimo disse...

Cel PM Mario Sergi (nosso comandante). A gestão do senhor tem melhorado muito a PM, ainda não chegamos ao ideal, mas avançamos muito.
Gostaria de pedir ao Sr, se possível, junto com secretario de segurança e o governador, uma atenção na INDICAÇÃO LEGISLATIVA Nº 141/2007 do deputado Wagner Montes que cria o Ten Cel PM QOA.
E propor a criação de provas para QOA (especialista) para praças que possuem curso superior.
Sugestão: Quadro de Oficiais especialistas em Direito, Administração, Contabilidade, Logistica, entre outros.
Um abraço, e continue assim.

Anônimo disse...

COMANDANTE, O SENHOR É MUITO INTELIGENTE, FALA MUITO BEM E É MUITO EDUCADO! PARABÉNS!
PEÇO SÓ UMA COISA: TENTE DIMINUIR ESSA PODRIDÃO QUE EXISTE NA HIERARQUIA DA PMERJ, O SENHOR AÍ NO SEU CABINETE NUNCA VAI SER AFETADO POIS O SENHOR E O CMT GERAL.
COMANDANTES DE BATALHÃO, ALGUNS OFICIAIS ESCROTIZÃO A TROPA COM TERROR PSICOLÓGICO COM ESCALA DESUMANA(PARA ALGUNS), COM COBRAÇA DE PROPINA DENTRO DA UNIDADE(VENDA DE SETORES) MAIS QUANDO ESTÃO AÍ NA FRENTE DO SENHOR FICAM IGUAIZINHOS A CORNEIRINHOS!
QUANDO ISSO VAI ACABAR???
CB PM RIBEIRO

Anônimo disse...

deprimente, esdrúxulo e equivocado.
o pior é ter estudado, feito pós-graduação e realmente acreditar q existe verdade e q ela é alcançável.
estudou muito e não entendeu nada!

Anônimo disse...

Cdte,o aborto como todo assassinato deve ser sempre repudiado, pois nao da ao inocente a menor chance de defesa.Dizer nao ao aborto, e dizer sim a vida.Obrigada pelo sr. ser policial e filosofo, o que lhe garante uma visao humana de todos os fatos.Gostaria de ser policial subordinada sua.Deus te abençoe...

Romita disse...

Parabens

Romita disse...

parabens

laranjeira11@gmail.com disse...

parabens

Anônimo disse...

Meu Comandante,é bom ve-lo postar novamente,isso nos dá a impressão de proximidade com o Sr.Parabéns pela força que tem dados aos policiais de tempo,fazendo para eles cursos a distância.Peço sua dedicação também aos de curso,para que tenhamos motivos para comemorar também,novembro vem aí e quem sabe promoções com a diminuição do intertício de 06 para 03 anos dos Sgts cursados,já que temos muitas vagas.Vindo ou não serei sempre seu fã.

Anônimo disse...

Comandante, o Senhor é realmente um homem bom.
Sobre a postagem do Senhor, hoje eu sou completamente contra o aborto.
Quando estava para entrar para a polícia, minha esposa, há época namorada, ficou grávida, e a dificuldade era grande, não tinhamos sequer aonde morar, e chegamos a cogitar a possibilidade de aborto. Um dia no CFAP, no recrutamento, conversando com um SGT antigão de nome SARDINHA, jamais esquecerei seu nome, começou a desabafar comigo o caso de sua filha, segundo o mesmo ela era linda e ficou grávida, e decidiu fazer um aborto escondida do SGT e com a ajuda do namorado, e o resultado foi que devido a complicações no procedimento, a filha do SGT ficou inválida sobre uma cama. Naquele momento, eu que não sou evangélico ou frequento religião, me toquei sobre o porque aquele SGT estava falando aquilo para mim, até porque recruta o senhor sabe que os mais antigos ignoravam na época, então entendi quilo como um AVISO, ao sair do CFAP falei com a minha companheira que não iriamos fazer aquilo e que enfrentariamos as dificuldades e iriamos vencê-las.
Dessa decisão nasceu uma criança linda, saudável que não me causa problemas e que só traz alegrias e hoje sempre está sempre em primeiro lugar na escola. Sua menor nota? É 8.
Agradeçoaquele SGT antigão que mesmo inconscientemente me ajudou a tomar a decisão certa.
Por isso, sou completamente contra o aborto.

Anônimo disse...

Nenhuma outra postagem₢?

wagner disse...

Boa noite Comandante.
Aproveito este canal de comunicação que o Senhor dispõe, para falar de um assunto que já deve ter ouvido muito.
Meu nome é Wagner e sou integrante do CFS/2005. Não sei se o Sr. sabe mas esse foi o CFS mais injustiçado entre todos os CFS. Estas podem ser palavras de quem está advogando em causa própria, mas se o Sr. verificar a história do CFS/2005 verá que estou falando a verdade. Para ser breve em 2004, Soldados e Cabos se inscreveram para fazer o CFS/2004, porém, logo após fomos impedidos por força da interpretação do Art.6º da lei 22.169/96, então tivemos que fazer o CFC/2004, tendo 136 CFC, galgado ao CFS/2005, que com os Cabos, também impedidos de participar do CFS/2004 por não terem divisa confirmada, completou 183 Cabos. Na ocasião foram oferecidas 300 vagas. Já no final do CFS/2005 fomos surpreendidos com um novo concurso para o CFS, porém, o artigo que nos impediu de participar do certame de 2004, não foi causa de impedimento para o curso de 2006.
Digo-lhe isto, porque o CFS/2005 completou 4 anos em outubro, e gostariamos de vossa avaliação quanto a inclusão dos SGT oriundos do CFS/2004 e 2005, ao quadro de acesso, que tem sido publicado com a inscrição de não haver candidatos habilitados à graduação de 2º SGT.
Muito Obrigado, pela atenção Sr. Comandante.

Anônimo disse...

Boa noite CG.
Se o que esta sendo noticiado no orkut, na comunidade da PMERJ for verdade, sinceramente não sei de que lado o senhor está.
Com certeza não está do lado dos praças!
O senhor falou muito até agora, falou bonito, mas só falou, melhorias que é bom não vi nada de significativo.
Cadê o fim do rancho?
Acautelamento da PT 40?
Um aumento digno?
Melhoria nas escalas?
Diminuição do intertício?
Reformulação do QDE?
Bom se forem veridicas as informações do orkut, vc esculachou os praças.
deixar os sargentos com curso superior fazer prova pra chegar mais rapido a oficial é uma boa, mas quem não tem curso superior?
Dificilmente sairá de 3º SGT.
Mas para ser oficial não precisa ter nivel superior!
Bom, vou esperar pra ver o que vai mudar realmente, não quero ter mais uma decepção com o senhor.
Minhas continências ao senhor.

José disse...

Ilmo. Srº Cmt Geral da PMERJ, sou Policial Militar à 19 anos, 6 meses, vejo com alegria e até emoção a idéa de inovações com relação ao acesso a graduações superiores, e até a possibilidade de ascensão ao oficialato (QOA), contudo há um questionamento se o senhor me permite a ser feito, qual seja Sr Cmt, as praças dos anos de 1990 e 1991 e alguns anos subseqüentes, não tiveram qualquer oportunidade de ascender na graduação, digo isso Sr. Cmt, porque tivemos um Concurso para Sargentos no ano de 1992, onde não podemos nos inscrever por conta do interstício de 03 (três) anos de serviço na Corporação, no ano de 1996, foi aberto novo Concurso, tínhamos o interstício, contudo o Edital dizia que para concorrer ao pleito o candidato deveria ser Cabo PM, no ano de 1998, essas turmas de 1990 e 1991, já haviam sido promovidas a Cabo PM, entretanto o Edital para esse, dizia que os candidatos deveriam ser Cabos PM, e deveriam ter a divisa confirmada, o que não era o caso das turmas de 1990 e 1991, e isso não se deu por desinteresse dos policiais militares das turmas alencadas tendo em vista que a Inscrição para a confirmação de divisa vinha publicada em Bol PM, e não cabia a nós a iniciativa para inscrição no citado Curso de Confirmação de Divisa, Sr. CmtG, por fim no ano de 2005, surgiu um novo Concurso para o CFS, sendo claro que nesse certame todas as exigências anteriormente citadas como condição para prestar esse concurso não foram repetidas, e não era mais viável fazer inscrição para esse Concurso tendo em vista que já seríamos promovidos por tempo de serviço.
Sr. CmtG, o que nos levou a não nos inscrever nesse concurso de 2005, foi o fato de na condição de tempo de serviço as promoções correm de 5 em 5 anos, e é claro os que prestaram concurso não tem por enquanto qualquer perspectiva de promoção. E agora próximo de sermos promovidos a 2º Sargentos, talvez tenhamos mudanças que possivelmente nos fará esperar mais 5 anos para promoção, essa incerteza Sr. CmtG nos leva a pensar se valeu a pena.
Por derradeiro Sr. CmtG, não posso e nunca terei a audácia de afirmar que hoje poderia ser 1º SGT ou até mesmo um SUBTEN PM, uma vez que não posso afirma que passaria em algum desses Concurso, o que quero mostrar e que nem a oportunidade de tentarmos tivemos, falo tudo isso Sr. CmtG, por mim e por todos os companheiros que estão nesta situação de incertezas, no meu caso talvez ainda possa recuperar o tempo perdido já que o senhor tem a idéia de abrir concurso para o quadro de QOA para quem tem Curso Superior, mas e os companheiros que não tiveram a possibilidade de fazer qualquer Curso Superior como fica.
Desde já agradeço esse espaço que o senhor nos deu para nos comunicarmos e se possível solicitar-lhe uma convocação para reunião com essas Turmas, se o senhor achar que somos merecedores dessa atenção, se em algum momento fui desrespeitoso com o senhor peço-lhe desculpas, embora digam que no militarismo, não há a possibilidade de se desculpar, Obrigado. 3º SGT PM AURÉLIO - 24º BPM.

Eduardo disse...

Cel PM Mario Sergio,
Desculpe incomodado com tal assunto,mas não temos mais a quem recorrer, somo candidatos do concurso ao CFSD 2009, e estamos aguardando uma data para inicio de nossa turma, data esta que sempre sofre mudanças, estamos a mais de um ano no aguardo da resolução deste problema, não sabendo mais a quem recorrer como dito a cima minha ultima tentativa foi recorrer ao Sr, bom a ultima data que foi nos passada é, aproximadamente 15/01/2011 se possível gostaria da sua ajuda, pois se o Sr, não poder nos ajudar receio não ter mas a quem recorrer;

Atenciosamente;
Eduardo Montenegro.
Candidato CFSD 2009.

Anônimo disse...

Coronel Mário Sérgio,

Primeiramente gostaria de parabenizá-lo pela transformação na imagem da PMERJ que o Senhor vem encabeçando, sabemos que, quase na totalidade, esta corporação é feita de policiais dignos e compromentido com o bem comum. Como cidadão, obrigado por nos devolver a esperança de termos um estado livre e nosso, sem o poder paralelo, MUITO OBRIGADO! Como Oficial do Corpo de Bombeiros minha continência e respeito ao grande líder e comandante. Hoje podemos dizer que temos as instituições Comandandas e Chefias por pessoas compromissadas e competentes (PMERJ, CBMERJ e PCERJ. OBRIGADO e PARABÉNS - SALVE A NOSSA POLÍCIA MILITAR!
Marco Antônio Rocha
Ten Cel BM

Anônimo disse...

ahhhh Coronel... sou sua fã e admiradora, além de curtir a sua beleza; como feminista, me decepciono c/ sua posição sobre o aborto e ofereço-lhe meu texto jornalístico http://piperacea.blog.terra.com.br Aborto no olho do furacão: contente-se em ser apenas vc mesmo pq vc não pode ser os outros publicado em 14/10 beijo estalado... Valéria Prochmann CURITIBA PR

FaBiaNa GuaRaNHo disse...

Cel. Mário Sérgio, em nome da população trabalhadora do RJ agradeço do fundo do coração suas ações conjuntas com todos os outros efetivos militares e sinto-me honrada em poder confiar novamente na Políca do RJ. Homens como o senhor são exemplos de que ainda há esperança para esse tão Maravilho Rio de Janeiro.
OBRIGADÍSSIMO.

Djalma de Moraes Lemos disse...

Coronel Mário é um prazer poder dirigir-me ao ex-colega de turma do antigo ginásio Instituto de Educação Clélia Nanci. Quero parabenizá-lo pelo trabalho que vem exercendo como policial e como cidadaão de bem visando melhoras à segurança de nosso Estado do Rio de Janeiro. Fica aqui um grande abraço!

Djalma M. Lemos
www.psicanaliseeteologia.blogspot.com

Anônimo disse...

depois de uma pequena operação no morro do urubu, onde policiais invadiram o morro e mataram traficantes.
tudo parecia tranquilo perfeito, mas a alguns dias um caminhão chegou cheio de bandidos e cada dia um caminhão chegou são 3 caminhões cheios de bandidos.

sou morador e gostaria que a policia ajuda-se nossa cominidade.os bandidos que estão saindo de favelas como essas que estão sendo invadidas estão vindo pra nosso bairro nos ajude por favor!


* Uma Dica. que tal o implantamento de uma UPP aqui Belford Roxo, em bairros pobres.
Morador.

Anônimo disse...

MATE TODOS ESSES BANDIDOS, NÃO DEIXE NENHUM COM VIDA POIS BANDIDO MORTO É DINHEIRO PUBLICO INVESTIDO EM TRABALHADOR VIVO - BANDIDOS E TRAFICANTES ESTÃO CORROMPENDO ESSAS CRIANÇAS QUE MÃES COLOCAM NO MUNDO SEM MESMO TER CONDIÇÕES, PARA FUTURAMENTE SE TORNAREM ESSES INDIVIDUOS QUE MATAM E VICIAM PESSOAS FRACAS. SALVE NOSSO POVO ACABE COM ELES, MATE A TODOS E MOSTRE QUE A POLICIA NÃO BRINCA, MOSTRE QUE SE ELES PODEM MATAR PESSOAS INOCENTES ELES DEVEM SOFRER AS CONEQUÊNCIAS. NÃO DEIXE QUE A DITA "LEI" JULGUE ESSES CRIMINOSOS QUE LOGO SÃO SOLTOS OU FICAM NA CADEIA SE ALIMENTANDO AS CUSTAS DE PESSOAS HUMILDES. DIREITOS HUMANOS EXISTE? SÓ PRA TRAFICANTES E ASSASSINOS POIS TRABALHADORES VIVEM SENDO HUMILHADOS PELA MIDIA E PELO GOVERNO. BANDIDO BOM É BANDIDO MORTO!

Cristiane disse...

Parabéns Comandante Mario!!! Pela a tomada dos territórios da Penha e Complexo do Alemão!!! Não sou policial, nem militar, mas admiro atitudes assim como a que o sr organizou,ótima!!! Sou do RS, meu pai era da polícia do sul, mas nos chamou atenção seu sobrenome é igual ao nosso (Duarte),não sei se podemos ter algum parentesco, pois meu avô era do RJ.Deus lhe acompanhe e aos seus soldados/policiais tb!! Abraço, Cristiane

Cristiane disse...

Parabéns Comandante Mario!!! Pela a tomada dos territórios da Penha e Complexo do Alemão!!! Não sou policial, nem militar, mas admiro atitudes assim como a que o sr organizou,ótima!!! Sou do RS, meu pai era da polícia do sul, mas nos chamou atenção seu sobrenome é igual ao nosso (Duarte),não sei se podemos ter algum parentesco, pois meu avô era do RJ.Deus lhe acompanhe e aos seus soldados/policiais tb!! Abraço, Cristiane

Fernando disse...

Sinceramente, parabéns Cel.

Sou de SP e tenho acompanhado as notícias do Rio com uma só preocupação: Que isso ocorra e que ocorra exatamente da maneira que está sendo conduzida, ou seja, a população sofreu poucos impactos mas este mau necessário que é a guerra urbana chegou ao seu início que tragicamente, com a conivência da sociedade, trouxe-nos a esta situação.

Sou da área de TI, com enfaze em web e BI (business inteligence) e realizo alguns trabalhos sociais.

Coloco-me à disposição para trabalhos sociais obviamente gratuitos na área de tecnologia, pois acredito que cada um precisa fazer sua parte. Não podemos esperar soluções que venham dos outros.

E como disse Jesus: "Aquele que deseja ser o maior primeiro deve se tornar servo de todos". Minha intenção não é ser o maior, pelo contrário, mas se cada um de nosso país fizesse um pouco, mesmo que em horas vagas, teríamos uma sociedade diferente e concordo com você, sem arrogância do socialismo, que apenas traz a preguiça na sua bagagem.

Enfim, não te faço nenhuma proposta de mudança, e sim que cada um mude a si mesmo através do trabalho ao próximo.

Parabéns novamente!

genaina disse...

coronel sou sua fã,a sua inteligência e o seu comando frente a esta batalha tem sido de muita importância não só para os moradores do Rio de Janeiro e arredores como também para todos os brasileiros, numa hora dseta gostria de ser policial para estar ai junto,lutando contra o crime. Prabéns!!!!

Anônimo disse...

será que esse "bem universal", platônico e patético será alcançado com a ajuda desta policia?
ou seria este tal "bem" não tão universal assim, mas possibilitado a alguns setores da sociedade?
discursos sedutores e sofísticos legitimam e justificam atitudes violentas, perversas, nazi-fascistas por parte de "mocinhos" e "bandidos".

triste texto! e triste saber que mesmo tendo contato com a filosofia (ainda que platônica)o pensamento não seja favorecido! para algumas pessoas nem uma vida inteira de provações e exercícios possibilitaram alguma sabedoria!

Renata Idalgo disse...

Mário Sérgio quanto tempo! Soube pelos jornais quando vc assumiu o comando da PM, muito merecidamente. Nossa fiquei tão feliz de major a comandante, que legal! Lembro dos tempos da P2, eu era repórter. Parabéns agora pela invasão histórica no Morro do Alemão. Precisamos nos rever. Bjos! Sua amiga jornalista Renata Idalgo. Voltei pro Crea como assessora de imprensa.